Quem Somos | Benefícios | Departamentos | Convenção Coletiva | Cursos | Associe-se | Fale Conosco
 
 
» Notícias
 
 
 
STF derruba artigos da reforma trabalhista que restringiam gratuidade 

Por maioria de votos, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou hoje (20) inconstitucionais dispositivos da Reforma Trabalhista de 2017 que determinaram o pagamento de honorários periciais e sucumbenciais por beneficiários da justiça gratuita.

Pelo entendimento, os dispositivos limitaram o acesso à assistência judicial gratuita ao possibilitar que pessoas consideradas pobres possam ter que arcar com os custos de perícias que são realizadas em processos trabalhistas, além de pagar honorários advocatícios da outra parte litigante no caso de perda da causa.

O julgamento da questão começou em 2018 e, após vários adiamentos, foi finalizado nesta quarta-feira. A ação que motivou a decisão foi uma das primeiras protocoladas pela Procuradoria-Geral da Republica (PGR) para contestar as alterações feitas pela reforma na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Ao julgar a ação direta de inconstitucionalidade, o Supremo concordou com os argumentos apresentados pela procuradoria e considerou inconstitucionais os artigos 790-B e 791-A da CLT.

Os dispositivos definiram situações em que a parte sucumbente deve arcar com os custos do processo, como perícias e honorários de advogados, mesmo que seja beneficiária da justiça gratuita. O texto também prevê que os custos poderão ser pagos pelo beneficiário no caso de ganho de causa em outro processo trabalhista.

Contudo, no mesmo julgamento, os ministros decidiram manter a validade do artigo 844, que também foi questionado pela PGR. O dispositivo prevê que os custos processuais devem ser pagos pela parte que faltar sem justificativa a audiência do processo, mesmo se tratando de beneficiário da justiça gratuita.

O benefício de gratuidade na Justiça trabalhista é concedido ao cidadão que tem salário igual ou inferior a 40% do teto de benefícios do INSS, que é de R$ 6.433,57.

 

21/10/2021 - Agencia Brasil  
 

O que fazer se a empresa não pagou a primeira parcela do 13° no dia certo?
02/12/2021  - Uol
Goiás tem mais de 12 mil na fila do INSS
29/11/2021  - O Popular
Adeus ao Gol e ao Uno após 4 décadas encerra o ciclo dos 'carros populares'
29/11/2021  - Estadão
Amanhã, dia 30, prazo final para empresas pagarem 1ª parcela do 13º
29/11/2021
Shopping de Campina Grande (PB) terá de criar creche para filhos de comerciárias
24/11/2021  - TST
Motel pagará dano moral a camareira por não conceder intervalos para amamentação
16/11/2021  - TRT
Uber, 99 e outras plataformas podem estar com os dias contados no Brasil
16/11/2021  - Jornal Correio
Saneago oferece programa para negociação de dívidas com desconto de até 98% sobre multas e juros
16/11/2021  - G1 Goiás
Governo flexibiliza regras trabalhistas e revê mais de mil normas
11/11/2021
Valor da cesta básica tem alta de 9,72% em Goiânia
11/11/2021  - O Popular
 
 
 
 
SECOMPN - Sind dos Empregados no Comércio de Porto Nacional
Rua Dom Alamo, 2456, Centro - CEP 77500-000 - Porto Nacional - TO
Telefones: (63) 9 8457-6313